Buscar
  • Lantau

A liderança global da China em energia renovável



A China já é líder em números de produção de energia renovável. Atualmente é o maior produtor mundial de energia eólica e solar, e o maior investidor doméstico e externo em energia renovável. Quatro dos cinco maiores negócios de energia renovável do mundo foram feitos por empresas chinesas. Das seis maiores empresas de fabricação de módulos solares do mundo, a China é dona de cinco delas, além disso, é o maior fabricante de turbinas eólicas do mundo.


Em 2030, a China prevê que um quinto do consumo de eletricidade do país venha de energia renovável. De acordo com a Agência Internacional de Energia, 36% e 40% do crescimento mundial em energia solar e eólica nos próximos cinco anos virá da China. A implantação de energia renovável também é parte de um esforço maior dentro da China para desenvolver uma 'civilização ecológica ', uma abordagem interindustrial para reduzir o nível de poluição e o uso de combustível fóssil, mitigar a mudança climática e melhorar a eficiência energética.


A capacidade de energia eólica da China aumentou 22 vezes e a solar quase 700 vezes até 2019, de acordo com dados da Agência Internacional de Energia Renovável - IRENA. Este foi o principal fator por trás da quintuplicação da capacidade eólica global e do aumento de 33 vezes da energia solar no mesmo período. A China respondeu por cerca de 30% das energias renováveis ​​do mundo no ano passado, com os EUA em um distante segundo lugar, com 10%.


A Administração Nacional de Energia (NEA) da China e a Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma (NDRC) também planejam gastar mais de US $ 360 bilhões desenvolvendo energia renovável e criando 13 milhões de empregos no setor até o final deste ano. A China vem investindo em um número crescente de projetos internacionais de energia renovável por meio de contribuições para organizações multilaterais. O Banco de Desenvolvimento do BRICS é um exemplo disso, como participante, a China concedeu sua primeira rodada de empréstimos verdes de longo prazo no valor de US $ 811 milhões em abril de 2019 para financiar projetos de energia limpa para seus membros (Brasil, Rússia, Índia e África do Sul).


Os avanços tecnológicos chineses no setor estão mudando os incentivos para empresas estrangeiras investirem no país. A China tem reduzido a lacuna com os países ocidentais no desenvolvimento de componentes-chave de painéis solares nos últimos anos. A Trina, uma empresa chinesa e maior fabricante de painéis solares do mundo, quebrou o recorde mundial de eficiência de células solares de silício multicristalino.


O compromisso da China em apoiar o desenvolvimento de energia renovável chega no momento em que o governo dos EUA está reduzindo o financiamento federal para pesquisa ambiental. O financiamento do governo é crucial para a pesquisa em tecnologia renovável, e a proposta do presidente Donald Trump de cortar US$ 516 milhões do Escritório de Eficiência Energética e Energia Renovável foi criticado pelo China's Global Times como um esquecimento da responsabilidade dos Estados Unidos nas mudanças climáticas.


A decisão do presidente Trump de retirar os Estados Unidos do Acordo de Mudança Climática de Paris também foi criticada pela China, que reafirmou seu compromisso de cumprir os objetivos prometidos de redução de emissões. O recuo do governo dos EUA dos compromissos de energia limpa deixa um vácuo de liderança global, gerando mais apoio econômico e político da comunidade internacional para a liderança da China no setor. A União Europeia, por exemplo, já está forjando uma aliança com a China para implementar o acordo acelerando a transição mundial para a energia limpa. À medida que a implantação de energia renovável continua a aumentar em todo o mundo, o alinhamento das capacidades e incentivos da China para investir no setor posiciona o país em um papel de liderança ainda maior para o futuro do setor.


As energias renováveis ​​são uma peça central do plano de modernização industrial "Made in China 2025" do presidente chinês Xi Jinping, que visa tornar Pequim a líder mundial no setor de alta tecnologia. Uma vez que atender às necessidades crescentes de energia do país com combustíveis fósseis agravaria um problema de poluição do ar já sério, o governo pretende aumentar a participação total da energia solar e eólica no mix geral de energia para quase 30% em 2030 um aumento considerável se comparado aos 10% no ano passado.


A iniciativa de infraestrutura de Belt and Road também ajudou a impulsionar o setor de energias renováveis ​​da China, dando oportunidades de negócios para exportar tecnologia de energia limpa e assumir projetos de eletricidade em grande escala em países emergentes.

Longi Solar, a sexta maior fabricante de painéis do mundo, opera uma enorme fábrica que poderia atender 70% da demanda total do Japão. Os players chineses controlavam 71% do mercado de painéis, enquanto o Japão - antes na liderança - caiu para apenas 2%.

Embora o mercado de turbinas eólicas permaneça mais dividido, dois dos cinco principais players são chineses, com 22% de participação no ano passado. Os outros três estão divididos na Dinamarca, Espanha e Estados Unidos.


Parcerias com a China podem acelerar a adoção de mais projetos de energia limpa e renovável para um país como o Brasil tão dependente de hidrelétricas e termelétricas fósseis. Vale apostar.


Referências:


https://www.csis.org/east-green-chinas-global-leadership-renewable-energy

https://e360.yale.edu/features/why-chinas-renewable-energy-transition-is-losing-momentum

https://asia.nikkei.com/Business/Energy/China-storms-past-US-and-Japan-to-take-lead-in-wind-and-solar-power


#china #energiarenovável # energiasolar #energiaeólica #renewableenergy #solarenergy #windpower #lantau





17 visualizações
logo -01.png

Jianguo East Road, 343, B Tower, 18th floor, Huangpu District, Shanghai, China

Avenida Paulista, 2518 - Bela Vista, São Paulo - SP, Brasil

contato@lantau.com.br

  • LinkedIn ícone social
  • Instagram
  • Twitter

© 2023 por Lantau Business Answers