• Lantau

DECODIFICANDO A VISÃO DA LIDERANÇA CHINESA – O que significa para os negócios

Em março do corrente ano, as reuniões políticas anuais mais importantes da China aconteceram quando milhares de delegados do Congresso Nacional do Povo - National People’s Congress (NPC) à legislatura nacional, e à Conferência Consultiva Política do Povo Chinês - Chinese People’s Political Consultative Conference (CCPPC), o principal órgão consultivo político, se reuniu por uma semana no Grande Salão do Povo em Pequim.

Comumente conhecido como lianghui - ou "Duas Sessões" - os encontros da elite deste ano em Pequim foram particularmente significativos. A liderança chinesa não apenas definiu as prioridades nacionais socioeconômicas e políticas para 2021, mas também aprovou o 14º Plano Quinquenal da China - 14th Five-Year Plan (FYP) (2021-2025), o grande plano estratégico para a próxima meia década, bem como de longo prazo metas para 2035. Além disso, 2021 marca o centenário da fundação do Partido Comunista Chinês (PCC), com o 100º aniversário marcado para ser comemorado oficialmente em julho.


Para o mundo dos negócios, as Duas Sessões forneceram um termômetro crítico para avaliar como Pequim pretende conduzir a economia chinesa no próximo ano, até 2025 e além. Principais temas incluídos:

  • Priorizando a qualidade do crescimento em vez da quantidade de crescimento;

  • Transformando a China em uma potência tecnológica e de manufatura autossuficiente;

  • Acelerando a busca por uma economia de baixo carbono para ajudar a atingir as metas climáticas de 2030/2060;

  • Alcançar a "prosperidade comum" por meio de novas estratégias de revitalização rural e urbanização;

  • Prosseguindo com a liberalização gradual do ambiente de negócios;

  • Elevando o papel de liderança da China na governança econômica regional e global;

  • Gerenciando a rivalidade das grandes potências com os Estados Unidos.

Para o 14º período do FYP, o relatório de trabalho também confirmou que a nova estratégia de “dupla circulação”- dual circulation”strategy (DCS) estará de fato no centro do modelo de crescimento econômico da China nos próximos anos. Embora o principal impulso do DCS seja reorientar a China em direção ao seu vasto mercado doméstico e reforçar sua autossuficiência econômica à medida que enfrenta um ambiente externo cada vez mais desafiador, Pequim tem enfatizado continuamente que o aprofundamento da integração da China com a economia global continua sendo uma prioridade absoluta. Numa conferência de imprensa, o Ministro do Comércio Wang Wentao sublinhou que, “O mercado interno não pode ser separado do mercado global e a circulação externa pode impulsionar a circulação interna. Esse é um fator-chave do gerenciamento do lado da demanda”.


Como a China pretende se tornar um país inovador líder em 2035, o relatório de trabalho traçou um ambicioso plano tecnológico nacional para os próximos cinco anos, enfatizando que "a inovação continua no centro da iniciativa de modernização da China". O governo prometeu se concentrar em alcançar “grandes avanços em tecnologias essenciais”, incluindo inteligência artificial de próxima geração, semicondutores, computação em nuvem e outras áreas importantes, bem como estabelecer mais laboratórios nacionais e centros de inovação. Pequim também terá como objetivo obter 56% do país em redes 5G. Até 2025, o governo pretende que a economia digital responda por cerca de 10% da produção econômica recém-adicionada da China.


Em particular, o 14º FYP apresentou um foco renovado em acelerar a Quarta Revolução Industrial e transformar a China em uma superpotência de manufatura avançada, delineando planos para fortalecer a competitividade global da China em áreas como robótica, veículos de energia nova, desenvolvimento de aeronaves e maquinário agrícola, entre outras. Falando à margem das Duas Sessões, Xiao Yaqing, Ministro da Indústria e Tecnologia da Informação, disse: "A indústria manufatureira é a força vital da economia do país, e a economia real deve ser fortalecida e melhorada ainda mais”.


Pela primeira vez em um relatório de trabalho, o governo também se comprometeu a expandir os esforços contra os monopólios de negócios como parte dos esforços para garantir uma concorrência justa no mercado. Vindo após o recente lançamento de uma repressão antitruste visando os gigantes domésticos da tecnologia, o anúncio sinalizou que a abordagem mais dura para governar os setores de tecnologia em expansão da China pode se intensificar ainda mais.


Com a China procurando intensificar os esforços para descarbonizar sua economia, o relatório de trabalho traçou ainda mais o caminho para a realização das metas de ter um pico de emissões até 2030 e alcançar a neutralidade de carbono até 2060.


Os compromissos de baixo carbono para 2025 marcaram um início lento no caminho para alcançar as promessas climáticas da China para 2030/2060, com os céticos apontando para uma potencial contradição entre os objetivos de curto e longo prazo. Agora é possível que as emissões continuem a aumentar até 2025. Isso atrasaria o grande progresso necessário na descarbonização até a segunda metade da década.


Enfatizando a importância de "garantir a harmonia entre a humanidade e a natureza", o relatório de trabalho disse que a China se moverá mais rapidamente para criar "grandes escudos ecológicos" destinados a proteger os ecossistemas naturais e estabelecer um "sistema de reserva natural baseado em parque nacional". Também prometeu expandir a cobertura florestal para 24,1% da área total da China, ante 23,2% em 2019. Isso exigirá o plantio de mais de 11 milhões de hectares de novas florestas até 2025, cobrindo uma área maior que o tamanho da Coreia do Sul.


Com a China se preparando para sediar a COP15 ainda este ano, a mais importante conferência sobre biodiversidade em uma década, Pequim priorizou ainda mais a expansão de seus esforços para proteger a natureza. Na cúpula, recentemente adiada para outubro na província de Yunnan, os líderes mundiais terão como objetivo definir uma nova estrutura global para a governança da biodiversidade até 2030 e dar um passo historicamente significativo para concretizar a visão de 2050 de “viver em harmonia com a natureza”.


Como a maior cúpula global sobre meio ambiente já realizada na China, a COP15 proporcionará uma grande oportunidade para a China emergir como uma força motriz na formação da agenda internacional da biodiversidade no mundo pós-pandêmico. Em particular, espera-se que Pequim mostre os principais aprendizados de seu esforço contínuo para concretizar a visão do presidente Xi de construir uma "civilização ecológica" e mudar o país de um modelo de desenvolvimento de alto crescimento para um mais amigo da natureza. Isso poderia oferecer um novo modelo de crescimento para outros países considerarem a adoção, especialmente aqueles que lutam para equilibrar as prioridades de alcançar um crescimento econômico rápido e ao mesmo tempo proteger o meio ambiente.


No mês passado, o governo chinês declarou vitória na longa luta contra a pobreza, marcando a conclusão oficial da campanha de assinatura do presidente Xi para tirar quase 100 milhões de pessoas da pobreza desde 2012. Agora Pequim está recalibrando a estratégia nacional de redução da pobreza para uma estratégia rural de revitalização, com o objetivo de alcançar a “prosperidade comum”, evitando e reduzindo a divisão de riqueza entre a cidade e o campo.


Para ajudar a orientar esses esforços, as autoridades centrais substituíram recentemente a principal agência anti-pobreza da China pela Administração Nacional para Revitalização Rural em uma remodelação burocrática. O novo órgão governamental desempenhará um papel de liderança na “consolidação e expansão das conquistas da luta contra a pobreza”, que o relatório de trabalho definiu como uma das principais prioridades nos próximos cinco anos. O relatório de trabalho também destacou a importância de continuar a buscar a “nova estratégia de urbanização centrada nas pessoas”, prometendo reduzir ainda mais as barreiras de migração entre as áreas rurais e urbanas.


Durante a pandemia e a recessão global, Pequim se esforçou para tranquilizar a comunidade empresarial internacional de que sua nova estratégia de “dupla circulação” (DCS) não sinaliza um recuo da China da economia mundial ou o fechamento de suas portas para o investimento estrangeiro. As autoridades continuaram a enfatizar a atratividade e o potencial de longo prazo do mercado chinês e enfatizaram repetidamente os compromissos de impulsionar uma maior liberalização do acesso ao mercado para empresas estrangeiras.


Embora o relatório de trabalho tenha menos foco no ambiente de negócios do que o previsto, o governo prometeu ampliar o acesso ao mercado em certos setores, anunciando planos para cortar ainda mais sua lista negativa de restrição ao investimento estrangeiro. Além disso, as autoridades disseram que as empresas estrangeiras seriam especialmente encorajadas a investir em manufatura avançada, novas e de alta tecnologia e nas indústrias de conservação de energia e proteção ambiental, nas regiões central e ocidental do país.


Refletindo o esforço contínuo de Pequim para elevar seu papel de liderança em toda a Ásia e globalmente, o relatório de trabalho disse que a China continuará a “aprofundar a cooperação econômica multilateral, bilateral e regional” nos próximos cinco anos. Isso incluiu promessas específicas de “manter o regime de comércio multilateral”, apoiar a ratificação e implementação da Parceria Econômica Abrangente Regional (RCEP) e a assinatura do China-E.U. Acordo Abrangente sobre Investimentos (CAI), e acelerar as negociações sobre um acordo de livre comércio com o Japão e a Coréia do Sul. Além disso, Pequim reiterou seu compromisso de "considerar ativamente a adesão" ao Acordo Abrangente e Progressivo para a Parceria Transpacífica (CPTPP), o sucessor da Parceria Transpacífica (TPP) da qual o ex-presidente Trump retirou os EUA.


O primeiro centenário, o 100º aniversário do PCC em 2021, marca a conclusão oficial da construção de uma “sociedade moderadamente próspera” na China. O segundo centenário vai comemorar o 100º aniversário da fundação da República Popular da China (RPC) em 2049, com o objetivo de realizar uma China totalmente modernizada até então. Juntos, esses grandes objetivos esperam impulsionar o crescimento contínuo e a prosperidade na China, com um foco particular em elevar o bem-estar do povo chinês e, por fim, restaurar o país à sua grandeza histórica passada no cenário mundial.


Algumas metas da China para 2035 são as seguintes:


  • Concluir a construção de uma “economia modernizada”;

  • Realizar "grandes avanços em tecnologias essenciais", com a China se tornando um "líder global em inovação";

  • As emissões de carbono diminuem continuamente após atingir o pico em 2030 e, basicamente, alcança a meta de construir uma "Bela China";

  • Garantir que a abertura da China alcance um "novo estágio";

  • Elevar o PIB per capita ao nível de "países moderadamente desenvolvidos", com uma expansão significativa da população de classe média.


À medida que a China embarca em uma nova era de desenvolvimento, as empresas devem adotar uma abordagem proativa e voltada para o futuro em relação ao 14º FYP. Será fundamental primeiro mapear as principais oportunidades e desafios que podem surgir para o seu negócio na China - se ainda não o fez - e então ajustar suas estratégias operacionais e de comunicação de acordo. Os executivos devem estar cientes de que garantir o sucesso contínuo no mercado chinês dependerá em grande medida da eficácia com que suas empresas realizam e demonstram sinergias com as prioridades nacionais do 14º FYP, bem como mitigar novos riscos para seus negócios que possam surgir nos próximos cinco anos.


Nos próximos meses veremos a divulgação dos planos regionais, setoriais e especializados que irão explicar em detalhes como o governo chinês pretende alcançar os objetivos principais do FYP nacional e fornecer com maior clareza o que esperar daqui para frente. Este é um excelente momento para abrir sua operação em território chinês e ampliar suas conexões e negócios. O que você está esperando?

Fontes:

China Dashboard

Hk Strategies

32 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo