• Lantau

Os unicórnios de EdTech da China


notebook com tela de lousa
Fonte: https://canaltech.com.br

O ensino à distância já existe há anos. Mas ainda foi um choque para pais e filhos quando a pandemia forçou mais de um bilhão de estudantes em todo o mundo a tentar aprender por meio de uma tela em casa.


Professores com poucos recursos, tecnologia desconhecida e condições extremamente variáveis ​​de ensino em casa significaram que, para alguns, a experiência foi tensa e ineficaz. Para muitos, isso até os deixou questionando o próprio conceito de ensino a distância. Em 2021, no entanto, veremos como a Ed Tech education technology, utiliza a inteligência artificial (IA) ou artificial intelligence (AI), para escrever o futuro da educação, trabalhando ao lado dos professores para ministrar aulas on-line de sucesso.


A China lidera o caminho em soluções de e-learning em grande escala que combinam professores humanos e AI, com nove unicórnios de EdTech, incluindo VIPKid, Zuoyebang e Yuanfudao. A AI permite que essas empresas ofereçam uma experiência de aprendizagem que atenda às necessidades específicas das crianças e as ajude a progredir, em vez de fornecer aulas tradicionais que deixam algumas crianças para trás e outras entediadas.


Imagine uma criança de seis anos da primeira série aprendendo a escrever caracteres chineses complexos. A plataforma de alfabetização chinesa, desenvolvida pela Hexiaoxiang Network Technology, usa AI, visão computacional e síntese de fala para dar aulas. O software de reconhecimento de imagem AI identifica cada caractere chinês que a criança escreve e gera avaliações com base em correspondência inteligente em um grande banco de dados de treinamento. A síntese de voz e os vídeos on-line fornecem instruções e feedback em tempo real. Os professores humanos na plataforma podem se concentrar em treinamento e suporte pessoal.


Nos últimos meses, em particular, a AI aprimorou todas as quatro áreas principais da educação: ensino, aprendizagem, prática e teste. A VIPKid, empresa de educação on-line sediada em Pequim, com mais de 700.000 alunos, lançou uma aula incorporada à AI, que inclui personagens divertidos e animados que ajudam o professor humano. Quando a empresa fez um teste com 10.000 alunos comparando as aulas com AI com as aulas apenas com vídeo, os resultados foram surpreendentes. As taxas de conclusão do curso foram de 80% para 90% e as taxas de respostas corretas de 50% para 80%. E toda essa atividade on-line produz dados que podem ser capturados e usados ​​ao longo do tempo para fornecer inferências de AI ainda mais inteligentes.

Exemplo de vídeo aula pela Vipkid
Fonte: https://vipkid.com

A AI usada dessa forma pode ajudar a reduzir custos e permitir que mais pessoas de todas as idades tenham acesso à educação. E permitirá que professores humanos deleguem muitas tarefas de rotina, como planejamento, avaliação, cronograma e até mesmo a transmissão de fatos, e em vez disso se concentrem na Curiosidade, pensamento Crítico e Criatividade dos alunos - os três Cs que a AI não pode substituir.


Os especialistas concordam que a AI será importante na educação do século XXI - mas como? Nos últimos anos, o investimento da China em ensino e aprendizagem habilitado para AI explodiu. Gigantes da tecnologia, startups da área da educação entraram em ação. Dezenas de milhões de alunos agora usam alguma forma de AI para aprender - seja por meio de programas de tutoria extracurricular como o Squirrel's, por meio de plataformas de aprendizagem digital como 17ZuoYe, ou mesmo em suas salas de aula presenciais. É o maior experimento do mundo em AI na educação, e ninguém pode prever o resultado.


O Vale do Silício também está bastante interessado. Em um relatório publicado em março, a Chan-Zuckerberg Initiative e a Bill and Melinda Gates Foundation identificaram a AI como uma ferramenta educacional digna de investimento. Em seu livro Rewiring Education de 2018, John Couch, vice-presidente de educação da Apple, elogiou a Squirrel AI. (Uma versão chinesa do livro é de co-autoria do fundador do Squirrel, Derek Li.) A Squirrel também abriu um laboratório de pesquisa conjunta com a Carnegie Mellon University este ano para estudar o aprendizado personalizado em escala e, em seguida, exportá-lo globalmente Derek Li usa uma analogia para expor sua visão final. “Quando a educação em AI prevalecer”, diz ele, “os professores humanos serão como um piloto”. Eles monitorarão as leituras enquanto o algoritmo voa pelo avião e, na maior parte do tempo, desempenharão um papel passivo. Mas de vez em quando, quando há um alerta e um passageiro entra em pânico (digamos, um aluno é intimidado), eles podem intervir para acalmar as coisas. “Os professores humanos se concentrarão na comunicação emocional”, diz ele. Li pensa que esta é a única maneira pela qual a humanidade será capaz de elevar sua inteligência coletiva.


No Brasil ainda temos que superar alguns problemas básicos como internet de qualidade à todos e acesso a equipamentos, computadores, capazes de apoiar o aprendizado.

Quanto ao conteúdo, não basta transportar aulas presenciais para aulas on-line sem reestruturar a lógica e a forma como apresentar as matérias, os temas. Definido o que e como apresentar, o onde faz parte da busca das melhores ferramentas para executar. Significa dizer que as ferramentas como zoom, google meet, padlet, jamboard, mentimeter, sli.do, entre outras, são o meio para disponibilizar e disseminar os temas, que o mais importante é formato do conteúdo.


Se, além disso, AI for incorporado acabará por criar ambientes de aprendizagem flexíveis que são tão adequados para alunos sensíveis e criativos quanto para alunos precisos e analíticos e assim o acesso será possível tanto para os alunos de áreas urbanas como de áreas rurais.


Vale à pena olhar o que se está fazendo e por a mão na massa, somos capazes.

Referências:

87 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo