top of page
Buscar
  • Lantau

Reduzir os níveis de poluição urbana – EV é a saída?

Atualizado: 5 de out. de 2023



A transição da indústria automobilística para veículos elétricos está se acelerando. Até 2030, mais de um em cada quatro novos automóveis de passageiros vendidos será um veículo elétrico. Muitos dos principais fabricantes de veículos em todo o mundo sinalizaram o fim de uma era de motores de combustão interna ICE (Internal Combustion Engines) à medida que a transição para veículos com emissão zero ZEV (Zero Emission Vehicles) é acelerada.

Espera-se que os principais fabricantes de automóveis sejam responsáveis por mais de 70% da produção global de EV (Electric Vehicle) até 2030 (em comparação com 2022, quando representavam apenas 10% de todos os fabricantes de EV). Mas, apesar do rápido crescimento das escolhas que os consumidores de EV têm e das taxas de fidelidade sem precedentes entre os compradores de retorno de EV, a indústria como um todo ainda precisa de enfrentar a ansiedade dos consumidores, especialmente aqueles que não têm garagem ou que viajam longas distâncias.

A solução precisa ser um esforço conjunto entre vários setores: automotivo, serviços públicos, governo e proprietários privados, como shopping centers e condomínios. À medida que estes caminhos convergem, as tendências de eletrificação dos veículos aumentarão exponencialmente. E podemos, de facto, ver o fim da era do ICE.

No mercado existem diferentes tipos de EVs híbridos, híbridos plug-in, movidos à bateria.

  • BEV (Battery Electric Vehicle), são veículos totalmente elétricos, dependem exclusivamente da bateria interna para obter energia.

  • HEV (Hybrid Electric Vehicle) são veículos que não podem ser recarregados com uma fonte de energia externa. Combinam um motor de combustão interno tradicional com propulsão por bateria elétrica.

  • PHEV (Plug-in Hybrid Electric Vehicle) ao contrário dos HEVs, os PHEVs podem ser carregados a partir de uma fonte externa, embora também possam contar com um motor e energia de combustível.

  • FCEV (Fuel Cell Electric Vehicle) são veículos que utilizam um sistema de propulsão semelhante ao dos veículos elétricos, onde a energia armazenada como hidrogênio é convertida em eletricidade pela célula de combustível. Ao contrário dos veículos convencionais com motor de combustão interna, estes veículos não produzem emissões prejudiciais pelo escapamento.

  • NEV (New Electric Vehicle) na China, NEV refere-se a uma classe de veículos de novas energias que abrange tanto veículos PHEVs como HEVs. Nos Estados Unidos, no entanto, NEV é o termo dado aos veículos elétricos de vizinhança que têm limitações legais aos limites de velocidade não superiores a 72 km/h.

Com os BEVs e os PHEVs entrando agora no mercado na faixa de US$ 20.000, as marcas disruptivas estão apostando tudo nos NEVs. Segundo a S&P Global Mobility se projeta um crescimento significativo do mercado de vendas de veículos eletrificados na China até 2030, com dois terços deles sendo puramente elétricos à bateria. Atualmente as exportações de EV estão em forte aumento.

A política e os subsídios governamentais têm sido a força motriz do desenvolvimento do mercado de veículos eletrificados na China. Incentivos fiscais, fornecimento de matrículas gratuitas ou subsidiadas aos proprietários de BEV em algumas cidades tem apoiado o crescimento do mercado.

Apesar de tais incentivos, o preço das baterias tem sido uma barreira à crescente procura dos consumidores por veículos elétricos devido ao seu impacto no preço global dos veículos. O preço das matérias-primas utilizadas nas baterias EV disparou em meados de 2022. Isso levou os fabricantes de automóveis a utilizar a tecnologia híbrida plug-in – que tem capacidades de bateria instaladas menores do que os veículos elétricos à bateria – para manter os custos baixos e, ao mesmo tempo, oferecer uma eficiência de combustível relativamente boa.

Em contraste com as marcas japonesas que dominaram o mercado totalmente híbrido (não plug-in – HEV) com o Honda IMMD e o Toyota THS, as marcas nacionais chinesas, estão agora em primeiro plano, alcançando um crescimento robusto da quota de mercado híbrido com os seus avançados na tecnologia híbrida plug-in dedicada – PHEV.

Em comparação com os HEV, os PHEV têm um melhor desempenho no consumo de combustível, uma autonomia elétrica mais longa e para uma estratégia de mobilidade individual livre de carbono a longo prazo.

A médio prazo, espera-se que a tecnologia PHEV seja uma solução de transição para os BEV, enquanto os BEV continuam a ser, na sua maioria, caros e as opções de carregamento são limitadas a determinados consumidores ou áreas específicas.

Muitas pesquisas estão sendo realizadas para aumentar a capacidade das próprias baterias elétricas e ajudar os veículos a irem mais longe com uma única carga.

A Innolith Science and Technology, uma startup suíça, está desenvolvendo uma bateria alternativa com uma densidade de energia de 1.000Wh/kg – cerca de quatro vezes a densidade das baterias dos automóveis Tesla.

O segredo da tecnologia da Innolith é uma plataforma baseada em eletrólito inorgânico, em vez das tradicionais baterias de íons de lítio, como as usadas pela Tesla e em muitos dispositivos recarregáveis comuns.

Outro objetivo de projetos como o do Innolith é reduzir o custo das baterias EV, o que será essencial para reduzir o custo dos automóveis e incentivar mais consumidores a utilizá-las.

Porém, o maior problema ainda está no carregamento dos veículos. O cabo padrão que acompanha o carro pode ser conectado à rede elétrica como qualquer outro dispositivo eletrônico.

O carregamento em tomadas domésticas em média, (porque depende do veículo) demora 8 horas, mas pode se investir em unidades de energia separada que carrega o veículo de três e sete vezes mais rápido do que uma tomada doméstica padrão.

Muitas empresas, incluindo Nissan, Peugeot e Tesla, desenvolveram as suas próprias unidades de energia para veículos elétricos - carregamento rápido.

Ainda em seus estágios iniciais, o desenvolvimento de aplicativos para veículos elétricos geralmente se concentra em ajudar os motoristas a localizar estações de carregamento disponíveis para seus carros. A disponibilidade destas aplicações varia entre países e, por vezes, consoante a marca do carro.

PlugShare é um exemplo de aplicativo que trabalha para mapear a rede local e internacional de estações de carregamento. Com este aplicativo, os motoristas podem disponibilizar seus próprios carregadores domésticos para uso pela comunidade de veículos elétricos ou podem enviar dados sobre uma estação pública.

Fonte: South China Morning Post

Gradualmente, uma variedade de aplicativos de carregamento inteligente está surgindo. O conceito por trás desses aplicativos é que eles usam dados da rede elétrica para determinar o período mais ecológico e eficiente para carregar um EV dentro de um intervalo de tempo selecionado pelo usuário.

Os aplicativos levam em consideração valores como a capacidade disponível da rede elétrica, a disponibilidade de energia sustentável e o preço da energia dentro do prazo definido para gerar economia de custos e emissões para o cliente.

Na Holanda, a Jedlix desenvolveu um aplicativo de carregamento inteligente desse tipo que também oferece aos usuários uma pequena recompensa de 2 centavos por kWh ao usá-lo.

No Reino Unido, o fornecedor independente de energia, Igloo Energy, também desenvolveu um aplicativo de carregamento inteligente, agora em teste para usuários do Tesla. O aplicativo Igloo é capaz de reduzir as emissões de veículos elétricos em até 20%.

Em todo o mundo, a legislação está sendo alterada para reduzir a poluição nos ambientes urbanos e alguns governos estabeleceram mesmo metas para eliminar das estradas pelo menos os veículos ICE movidos a diesel nos próximos 11 anos.


 

Referências:




9 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page