top of page
Buscar
  • Lantau

DESAFIO EM AUMENTAR O CRESCIMENTO ECONÔMICO DA CHINA.

Atualizado: 18 de ago. de 2023



A política de “COVID zero” implantada pelo governo chinês no ano passado (2022) trouxe fortes consequências para a economia que se refletem este ano. O levantamento das restrições liberou uma demanda reprimida por serviços em geral e, lentamente, vem estabilizando a cadeia de suprimentos, mas o consumo em geral desacelerou, devido as altas taxas de desemprego entre os jovens que estão se formando e entrando no mercado de trabalho este ano.

Embora esteja em uma trajetória de recuperação, muitos setores sofreram com o lockdown. O mercado imobiliário enfrenta os riscos de inadimplência desde 2021, o que tem levado a vendas de imóveis consistentemente baixas, pressionando negativamente o crescimento geral da economia. Existe uma redução generalizada no setor da construção, reflexo de problemas tanto do lado da oferta (incluindo infraestrutura) como do lado da demanda, concentrado nas vendas imobiliárias. Há evidente redução da demanda, e o governo faz alterações na política monetária como cortes nas taxas de juros e depósitos compulsórios.

Novas políticas estão sendo anunciadas para impulsionar a recuperação, incluindo isenções fiscais para pequenas e microempresas e dedução acelerada dos custos de pesquisa.

Contudo a economia chinesa crescerá 5,4% este ano de acordo com as projeções, uma recuperação de 2,4% se comparados com os 3% do ano passado. Para o ano que vem é esperado um crescimento de 5,0%.

Embora exista uma expectativa de crescimento, é possível notar que determinados setores desaceleram e o governo está empenhado em lançar um pacote de estímulos para impulsionar o crescimento na segunda metade do ano.

Reformas estruturais serão necessárias para revitalizar a economia.

  • Intensificar as condições equitativas para promover a recuperação de empresas privadas;

  • Implementar leis salariais iguais e ação afirmativa, quando necessário, para reduzir a diferença salarial entre gêneros;

  • Aumentar gradualmente a idade de aposentadoria para elevar a oferta de mão-de-obra, fortalecer os benefícios de seguro-desemprego e saúde;

  • Reestruturar as empresas estatais para fechar sua lacuna de produtividade com empresas privadas.

Segundo IMF (International Monetary Fund), com uma força de trabalho encolhendo e retornos decrescentes para o investimento de capital, o crescimento nos próximos anos dependerá do aumento do declínio da produtividade. Sem reformas, atualmente é estimado que o crescimento caia abaixo de 4% nos próximos cinco anos.

Indicadores chave em manufatura, serviços, consumo, investimento e comércio internacional registraram crescimento lento, mas permaneceram positivos em geral. Em uma coletiva de imprensa para a divulgação das estatísticas de maio, o porta-voz do NBS (National Bureau of Statistics of China) Fu Linghui afirmou que “a demanda de produção se recuperou gradualmente, o emprego e os preços ao consumidor se estabilizaram em geral, as operações econômicas permaneceram em uma trajetória de recuperação e a qualidade de desenvolvimento continuou a melhorar”.

O NBS divulgou os principais indicadores econômicos para maio de 2023, mostrando uma desaceleração na recuperação econômica pós-COVID em comparação com os dados de abril.


Fonte: NBS National Bureau of Statistics

No entanto, reconheceu também que “o ambiente internacional continua complexo e severo, o crescimento econômico global é lento” e que embora “a economia doméstica esteja se recuperando, a procura do mercado ainda é insuficiente”.

Se olharmos mais detalhadamente é possível observar, nos indicadores de maio, quais setores tiveram contração, crescimento tímido ou um crescimento expressivo.

Os índices de atividade empresarial de serviços registraram expansão, com o Índice de Atividade Empresarial de Serviços em 53,8%, e o Índice de Expectativa de Atividade Empresarial de Serviços em 60,1%.

Os índices de atividade empresarial de indústrias, como transporte ferroviário, aquaviário e aéreo, telecomunicações, radiodifusão, televisão e serviços de transmissão via satélite e software e serviços de TI, ficaram todos acima de 60%, indicando um alto nível de crescimento.

Do lado do consumo, as vendas no varejo de bens de consumo em maio ficaram abaixo das previsões, crescendo 12,7% em relação ao ano anterior, atingindo RMB 3,8 trilhões (US 530,7 bilhões), 5,7% abaixo de abril. Isso apesar do impacto positivo que o feriado do Dia do Trabalho no início de maio teria sobre esses números.

As vendas no varejo online, setor extremamente forte na China, atingiram RMB 5,7 trilhões (aproximadamente US 795,2 bilhões) entre janeiro e maio de 2023, um aumento de 13,8% em relação ao ano anterior. Desse total, as vendas online de bens físicos totalizaram RMB 4,8 trilhões, respondendo por 25,6% do total de vendas no varejo este ano até agora.

A produção industrial em maio desacelerou significativamente em maio, com alguns setores até experimentando uma contração. A indústria de mineração diminuiu 1,2% em relação ao ano anterior.

Apesar dos níveis geralmente baixos de crescimento, alguns segmentos de mercado experimentaram booms de crescimento em maio. São principalmente indústrias de tecnologia de alto crescimento, como produção de células solares, novos veículos de energia e robôs de serviço aumentando 53,1%, 43,6% e 34,3%, respectivamente, em comparação com o mesmo período do ano passado.

O comércio internacional também teve um crescimento lento em maio, com importações e exportações totais aumentando apenas 0,5% em relação ao ano anterior. O valor total das importações e exportações de mercadorias atingiu RMB 3,4 trilhões (aproximadamente US$ 481,6 bilhões). Desse total, as exportações totalizaram RMB 1,9 trilhão, uma queda de 0,8% em relação ao ano anterior, enquanto as importações atingiram RMB 1,5 trilhão, um aumento de 2,3% em relação ao ano anterior. O superávit comercial foi de RMB 452,3 bilhões (aproximadamente US$ 63,2 bilhões).

Há também uma série de fatores atuais que afetam o crescimento, incluindo a desaceleração da demanda doméstica, a turbulência contínua no mercado imobiliário e o enfraquecimento da economia global.

As exportações, um dos principais contribuintes para o crescimento econômico da China, foram severamente impactadas pela alta inflação e uma recessão econômica nos principais mercados estrangeiros, como os EUA e a UE. À medida que os consumidores estrangeiros apertam os cintos, eles gastam menos em produtos chineses. O volume de importação, por sua vez, permaneceu consistentemente baixo devido à fraca demanda doméstica.

A desaceleração do crescimento do IDE também pode ser atribuída em parte ao efeito de base. De acordo com o Departamento de Investimento Estrangeiro do MOFCOM, grandes projetos com investimento estrangeiro receberam grandes volumes de recursos de janeiro a maio do ano passado, enquanto o IED atingiu uma alta histórica em dólares americanos durante esse período em 2022, resultando em um alto efeito de base.

No entanto, outros fatores também podem estar enfraquecendo a confiança dos empresários em geral. As empresas estrangeiras na China também são impactadas pela fraca economia global, enquanto as relações precárias com os EUA e a UE estão causando incerteza entre os investidores.

Vale lembrar que o PIB da China agora se aproxima de 20% do PIB mundial. É por isso que, com razão, o mundo observa a economia chinesa.

 

Referências:




21 visualizações0 comentário

Commenti


bottom of page