top of page
Buscar
  • Lantau

O que esperar da China em 2023.

Atualizado: 31 de jul. de 2023


As políticas COVID altamente restritivas da China desempenharam um papel importante em seu fraco desempenho econômico em 2022.

O governo de Xi Jinping respondeu à pandemia global do COVID-19 fechando as cidades da China e rastreando infecções exaustivamente. A política do governo conhecida como “COVID zero” possa ter parecido excessivamente rígida. No entanto, o surgimento da variante ômicron altamente infecciosa no final de 2021 e início de 2022 tornou essa estratégia incapaz de conter a propagação da infecção. Cidades como Xian, Shenzhen e Xangai, maior centro de negócios da China, entraram em lockdown. Esta política de isolamento da China, ocasionou severos efeitos colaterais. Em Xangai, as infecções diárias ultrapassaram 20.000 e os bloqueios impediram que os 24 milhões de residentes da cidade comprassem itens essenciais. Embora o bloqueio de dois meses tenha terminado em 1º de junho de 2022, seus efeitos foram profundos na economia local, nacional e internacional.

O bloqueio fez com que tanto a vida quanto a atividade econômica em Xangai parassem, como aconteceu em Wuhan dois anos antes. Vias expressas, portos de contêineres e outras infraestruturas de distribuição deixaram de funcionar em uma ampla área, paralisando o delta de Chang Jiang, que forma o coração da economia da China. Maior porto de contêineres do mundo, Xangai serve como uma espécie de artéria principal que liga a economia chinesa à economia global, de modo que os efeitos do fechamento do porto se espalham pela cadeia de suprimentos para a economia global.



Em resposta a esse estado de coisas, o governo chinês implementou uma série de políticas em abril de 2022 destinadas a facilitar a movimentação de mercadorias e fortalecer a cadeia de suprimentos, incluindo uma “lista branca” de 666 empresas cujos produtos – que incluiram automóveis, suprimentos médicos, eletrônicos e itens essenciais do dia a dia - receberam tratamento preferencial. Como resultado, a produção da fábrica e os volumes de remessa aumentaram constantemente desde maio. No entanto, os danos causados pelo bloqueio foram muito graves para serem facilmente remediados. O PIB do trimestre de abril a junho de 2022, anunciado pelo departamento de estatísticas chinês em 17 de julho, cresceu apenas 0,4% em relação ao mesmo período do ano anterior, marcando uma desaceleração significativa em relação ao crescimento de 4,8% registrado no período de janeiro a março.

A desaceleração afetou toda a região leste da China, que forma o coração da economia do país. Xangai foi particularmente atingida, caindo 13,7% em relação ao mesmo período do ano anterior, enquanto as províncias de Jiangsu e Zhejiang registraram crescimento negativo de -1,1% e -0,1%, respectivamente. Na verdade, todas as principais cidades da China sofreram um grande golpe. Embora não seja tão drástico quanto o bloqueio de Xangai, a capital Pequim também implementou regulamentos rigorosos da COVID que fizeram sua economia encolher 2,9% em relação ao ano anterior.

Estas medidas puderam ser sentidas em todo mundo com falta de peças, diminuindo ou paralisando a produção. Fábricas estrangeiras instaladas na China, tiveram que paralisar as atividades porque seus funcionários estavam com COVID. As restrições nas fronteiras prejudicaram a cadeia de abastecimento, as empresas multinacionais e os fluxos de comércio e investimento entre a China e outros países.

Porém, com a reabertura das atividades econômicas na China, existe uma expectativa de aquecimento do comércio tanto interno como externo.

Acredita-se que as consequências da política de “COVID zero” ainda sejam sentidas até o final do 1 trimestre de 2023, mas que aos poucos a economia vai se ajustando e voltará a crescer. Os analistas da Capital Economics esperam que a economia da China contraia em 0,8% no primeiro trimestre de 2023, antes de se recuperar no segundo trimestre.

À medida que a China emerge do seu isolamento auto imposto, todos observam como o país pode melhorar sua reputação e as relações que surgiram durante a pandemia.

Xi Jinping sinalizou sua vontade de reparar as relações com os Estados Unidos e seus aliados.

Agora é aguardar a evolução da pandemia e os próximos passos.

 

Referência:




16 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page