Buscar
  • Lantau

A indústria criativa da China abraça novas oportunidades em meio à pandemia

No início do mês de setembro deste ano, entre os dias 4 a 9 ocorreu a CIFTIS - China International Fair for Trade in Services e o Fórum de Desenvolvimento da Indústria Cultural da China, em Pequim, com foco nas mudanças e no desenvolvimento da indústria criativa-cultural do país na era pós-epidemia.


Dados da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) mostram que as indústrias culturais e criativas (CCI) geraram 2,25 trilhões de dólares em receitas em todo o mundo, superando as dos serviços de telecomunicações. Com cerca de 29,5 milhões de empregos, as indústrias de CCI empregam 1% da população mundial.


Segundo a UNCTAD - United Unions Conference on Trade and Development economia criativa não tem uma definição única. É um conceito em evolução que se baseia na interação entre a criatividade humana e as ideias e a propriedade intelectual, o conhecimento e a tecnologia. Essencialmente, são as atividades econômicas baseadas no conhecimento nas quais as "indústrias criativas" se baseiam.


As indústrias criativas - que incluem publicidade, arquitetura, artes e ofícios, design, moda, filme, vídeo, fotografia, música, artes cênicas, editoras, pesquisa e desenvolvimento, software, jogos de computador, publicação eletrônica e TV / rádio - são a força vital da economia criativa. Eles também são considerados uma importante fonte de valor comercial e cultural.


A economia criativa é a soma de todas as partes das indústrias criativas, incluindo comércio, trabalho e produção. Hoje, as indústrias criativas estão entre os setores mais dinâmicos da economia mundial, fornecendo novas oportunidades para os países em desenvolvimento saltarem para áreas emergentes de alto crescimento da economia mundial.

Este tipo de indústria está se tornando um impulsionador cada vez mais significativo do crescimento econômico. Muitos países estão desenvolvendo políticas e estratégias para expandir seu setor criativo, que inclui arquitetura, artes visuais e performáticas, marketing e publicidade, mídia e publicação, design, moda e jogos de computador. A China é um deles.

O relatório recente da UNCTAD sobre a economia criativa global mostrou que as indústrias criativas da China estão superando as de outros países. A Ásia como um todo ultrapassou todas as outras regiões, com a China e o Sudeste Asiático respondendo por US $ 228 bilhões em exportações criativas.


O relatório também mostrou que a China é o maior exportador e importador de bens e serviços criativos do mundo e tem sido uma força motriz do boom da economia criativa global por mais de uma década.


Forte apoio governamental, transformação econômica, alta adoção da Internet e um grande mercado consumidor ajudaram a catalisar as indústrias criativas da China. O país também abriga a maior indústria de videogames do mundo e a segunda maior indústria cinematográfica. Possui mais cinemas do que qualquer outro país e também é o maior investidor mundial em realidade virtual e tecnologias de inteligência artificial.


A China está investindo cada vez mais em sua indústria de serviços criativos para ir além de sua identificação como uma mera "fábrica do mundo". Várias políticas e iniciativas nacionais buscaram estimular a economia do conhecimento do país e mudar o foco dos negócios para a fabricação e inovação de maior valor agregado.


O tamanho e o crescimento do mercado variam na China, dependendo do subsetor.


Segmentos de crescimento notáveis ​​na indústria de serviços criativos incluem arte, filme e animação. Todos se beneficiam de incubadoras que os tornam polos de seus respectivos mercados.

Qingdao será o novo centro da produção cinematográfica chinesa, seguindo sites como o Hengdian World Studios em Zhejiang. Hangzhou é um centro de TI e animação. A 798 Art Zone de Pequim e a Xangai M50 Art Area são, respectivamente, bairros modernos de galerias de arte e cafés que geralmente servem como centros de relacionamento para essas indústrias.


Essas ‘zonas’ designadas indicam a vontade do governo de encorajar o desenvolvimento das indústrias criativas.


A China também tem colaborado com outros países para desenvolver conjuntamente suas indústrias criativas, assinando acordo de cooperação com Reino Unido e a Holanda. Além disso, Pequim e Sofia, a capital da Bulgária, assinaram um acordo para aprimorar o intercâmbio e a cooperação entre as indústrias culturais das cidades.


A indústria criativa digital é uma nova forma econômica que integra modernas tecnologias de informação e indústrias culturais e criativas.


Além do mais, este tipo de indústria, é uma importante fonte de soft power que pode levar ao crescimento das exportações culturais e efeitos indiretos em setores como turismo, varejo e alimentos e bebidas.


A indústria de serviços criativos está posicionada para permanecer relevante e continuar crescendo ainda mais rapidamente à medida que a economia digital se expande.


Globalmente, os jogadores mais fortes neste setor são agora países com as maiores taxas de penetração da Internet e base de usuários digital. Caminho que levou ao boom criativo da China.


A região da Ásia-Pacífico lidera os mercados globais em termos de presença online. A China é um mercado vasto e consolidado na região da Ásia-Pacífico, fortemente apoiado por políticas governamentais favoráveis ​​juntamente com o acesso onipresente à Internet, proporcionando aos criadores baseados na China facilidade de entrada no mercado.

Esses incentivos econômicos e sociais ilustram o objetivo da China de se reestruturar, deixando de ser uma base de manufatura voltada para a exportação para se tornar uma economia voltada para a cultura, o conhecimento e a inovação.

Fontes:

logo -01.png

Jianguo East Road, 343, B Tower, 18th floor, Huangpu District, Shanghai, China

Avenida Paulista, 2518 - Bela Vista, São Paulo - SP, Brasil

contato@lantau.com.br

  • LinkedIn ícone social
  • Instagram
  • Twitter

© 2023 por Lantau Business Answers